never say die!

Quando eu era mais novo, eu passava um bom tempo do meu dia lidando com seres fantásticos, tendo super poderes e derrotando vilões que só existiam na minha cabeça. Em florestas, campos e bosques, em sótãos e porões, num passado pré-histórico ou numa cidade futurista… Aguardava o dia em que algum mestre ou mentor apareceria na porta da minha casa, diria que eu era alguém destinado a salvar o universo e me levaria para uma jornada cheia de enigmas e armadilhas.

Porém, essas histórias ficaram somente na imaginação mesmo – até porque não duraria muito sem machucados em qualquer tipo de luta contra o perigo. Nunca fui muito de sair, brincar ou dormir fora de casa. Sempre vivi muito bem dentro do meu quarto, acompanhado por alguns livros de aventura e papel e caneta para criar minhas próprias narrativas.


 

“Bem, todas as essas crianças por aí viveram aventuras,
como o Tom Sawyer, o Luke Skywalker e o Jim Hawkins.
E as minhas aventuras, quais são?
Apenas consultas com o ortodontista.”


 

É impossível não se lembrar dessas cenas nostálgicas ao ler Os Goonies, velho conhecido da Sessão da Tarde. E é até engraçado pensar que essa história tenha sido a primeira publicação da Darkside Books, em 2012. Hoje reconhecida por estar trazendo títulos maduros, como O Demonologista, clássicos, como Hellraiser, e complexos, como Onde Cantam os Pássaros, a editora começou com um título juvenil que exala infância. Para comemorar os 3 anos da Darkside Books e encerrar essa semana especial com posts sobre os livros da editora, nada melhor que comentar um pouco esta obra criada por Steven Spielberg e escrita por James Khan.

goonies


 

O contexto de Os Goonies é o seguinte: um grande clube quer aumentar a extensão do seu campo de golfe e, para isso, está executando a hipoteca de diversos moradores e os obrigando a desocupar o bairro. Um grupo de amigos, então resolve aproveitar o último final de semana juntos, antes de todos serem despejados e mudarem de cidade. É quando tudo começa…

Mikey Walsh, um garoto asmático que sempre teve seus pulmões privados do ar da rua, e seus amigos (Bocão Devereux, Gordo Cohen e Ricky Wang) descobrem um mapa esquecido no sótão da casa dele. Mikey, que narra a história em primeira pessoa, logo entende que essa pode ser a chance de encontrarem o fabuloso tesouro do pirata Willy Caolho e salvarem as casas das famílias das Docas Goon (daqui vem o nome do grupo!).

Seguindo pistas, lidando com vilões quase infalíveis e enfrentando alguns medos que sempre guardaram, os garotos (e alguns outros personagens que se juntam em um dado momento, como o irmão mais velho de Mikey) partirão numa busca tensa e bastante corajosa.


 

“Mas vocês entendem o que eu estou dizendo, não é?
Da próxima vez que vocês virem o céu, ele vai estar sobre outra cidade.
Da próxima vez que vocês fizerem uma prova, vai ser em outra escola.
Nossos pais e mães querem o melhor para nós, mas eles tem que fazer o que é bom para eles, porque é o jogo deles, é a vez deles,
mas aqui embaixo é a nossa vez.
Nosso tempo e nossa aventura e as nossas regras e planos.”


 

The-Goonies-movie-image

A história de Steven Spielberg traz algumas mensagens muito interessantes sobre valores e amizade. De um jeito ou de outro, todos os membros, oficiais ou não, dOs Goonies ajudam a resolver os mistérios e derrotar os vilões ao longo da trama. Gordo se destaca por ser desajeitado, Bocão por ser cômico, Dado por criar invenções estranhas e nada seguras e Mikey por ter boas ideias. Não existe aqui um personagem forte demais ou um mestre exemplar para os outros. Todos estão aprendendo juntos sobre a sua importância. É a união de todas essas características que forma um grupo interessante e faz o leitor se identificar em algum ponto.

Sobre a narração de James Khan, somente elogios: é leve, tem vocabulário fácil e a mesma agilidade do filme. Cheia de sacadas e pensamentos engraçadinhos do personagem principal, a leitura acaba sendo rápida e muito bem-humorada. Os Goonies tem essa fórmula dos livros que podem ser lidos rapidamente.


 

“Aqui embaixo era um mundo diferente.
Era a vida e a morte, e maravilhas e romances, e poços sem fundo e riquezas fabulosas.
Aqui você precisava pisar leve e ser rápido no gatilho.
Lá, tudo o que você tinha que ser era comedido com a mostarda.”


 

Para os que sentem saudade das histórias de aventura, este é um daqueles cheio dos clichês do gênero, como as cavernas cheias de morcegos, os túneis desabando e as caveiras encontradas pelo caminho. Outro ponto bem interessante para os nostálgicos é a quantidade de referências a cultura pop: são músicos, bandas, livros, personagens… Quem viveu os anos 80 pode se recordar com carinho de tudo que o autor cita ou utiliza aqui como comparação.

Muito recomendado para crianças (de qualquer idade), é uma daquelas histórias que adoraria ter lido há uns 10 anos atrás. Os Goonies está, então, sugerido para quem quer ajudar alguém a descobrir a literatura ou para quem quer se sentir nostálgico, redescobrindo as histórias da sua infância.


 

tumblr_inline_nx2k34qdn91rzaxsl_540os goonies – james khan – 260 páginas – darkside books

em 140 caracteres… uma clássica aventura com piratas, tesouros e enigmas!
um livro para… despertar a vontade de reencontrar os amigos e desperdiçar um tempo com eles!
combina com… finais de semana e lembranças da infância!

A Darkside Books é uma editora parceira do blog! Você pode conhecer o catálogo completo aqui e a seguir no Facebook e no Twitter.

Andre cumprirá seu juramento.

Anúncios

Um pensamento sobre “never say die!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s